Visit Citebite Deep link provided by Citebite
Close this shade
Source:  http://darwin.futuro.usp.br/site/sky/Dezembro%202005/c_efemerides.htm


EFEMÉRIDES DEZEMBRO DE 2005

Projeto Sky

Observações do

céu noturno

Programas em Java

Carta Celeste
Satélites Artificiais
Fases, nascer e ocaso da Lua e Sol
Obtenha sua latitude e longitude
Acerte seu relógio
Nascer, meio-dia real e ocaso do Sol
Nascer e ocaso dos planetas

Latitudes e longitudes

Local
Latitude
Longitude
Fuso (TU)
São Paulo (SP)

23.533 (S)

23º 33' (S)

46.617 (W)

46º 37' (W)

- 3 horas
Brasília (DF)

15.783 (S)

15º 47' (S)

47.009 (W)

47º 54' (W)

- 3 horas
Campo Grande (MS)

20.450 (S)

20º 27' (S)

54.617 (W)

54º 37' (W)

- 4 horas
Macapá (AP)

00.033 (N)

00º 02' (N)

51.050 (W)

51º 03' (W)

- 3 horas
Porto Alegre (RS)

30.033 (S)

30º 02' (S)

51.200 (W)

51º 12' (W)

- 3 horas
Recife (PE)

08.050 (S)

08º 03' (S)

34.900 (W)

34º 54' (W)

- 3 horas
Rio Branco (AC)

07.517 (S)

07º 31' (S)

73.017 (W)

73º 01' (W)

- 5 horas
San Nicolás (Buenos Aires)

33.330 (S)

33º 19' (S)

60.227 (W)

60º 13' (W)

- 3 horas

Tabela 1. Latitudes e longitudes

Uma rápida explicação

Inicialmente, cada nação tinha sua hora que era a hora do seu meridiano principal. Quando se tratava de relações entre dois países, tanto comerciais quanto sociais, as confusões por causa dos horários diferentes eram inevitáveis, exigindo cálculos incômodos e nada práticos. Para solucionar isso foi criado o Convênio Internacional dos Fusos Horários estipulando que:

I. Cada fuso compreende 15 graus e é igual a uma hora;
II. O fuso zero é aquele cujo meridiano central passa por Greenwich (Inglaterra);
III. Os fusos variam de 0h à +12h, para leste de Greenwich e 0h à -12h para oeste de Greenwich;
IV. Todos o lugares de um determinado fuso têm a hora do meridiano central do fuso;
V. Define-se Tempo Legal (TL) como a hora civil do meridiano central do fuso.

O Brasil, devido sua grande extensão territorial, abrange quatro fusos em relação ao tempo universal (TU) que é contado a partir de Greenwich.

· -2 horas (TL = TU -2h): Fernando de Noronha, Atol das Rocas, Penedos São Pedro e São Paulo, Ilha da Trindade e Ilhas Martins Vaz;

· -3 horas (TL = TU -3h): Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás, Tocantins, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí, Maranhão, Distrito Federal, Amapá e Pará (a leste do Rio Xingú);

· -4 horas (TL = TU -4h): Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Roraima, Amazonas (a leste da linha que liga Tabatinga-AM a Porto Acre-AC) e Pará (a oeste do Rio Xingú);

· -5 horas (TL = TU -5h): Acre e Amazonas (a oeste da linha que liga Tabatinga-AM a Porto Acre-AC).

Assim, na tabela 1 além de fornecer as latitudes e longitudes de diversas localidades fornece também o fuso de algumas regiões. Esse fuso serve para subtrair a hora quando aparecer a referência (TU). Por exemplo, se nas informações abaixo um determinado planeta "nasce" às 18h e o mesmo possui a referência (TU), para as cidades do estado de São Paulo deve subtrair 3 horas, resultando em 15h. Porém se observador estiver localizado nas cidades do estado de Rio Branco, deverá subtrair 5 horas, resultado em 13h.

Principais eventos astronômicos do mês para todo Brasil e Argentina:

Todas as horas em Universal Time (UT)

Subtrair a hora fornecida pelo valor indicado na tabela 1 de Latitudes e Longitudes.

01/12 a 31/12 - Vênus - Visível ao entardecer - Ver comentário 1

01/12 a 31/12 - Marte - Visível ao entardecer - Ver comentário 2

01/12 a 31/12 - Saturno - Visível durante a noite - Ver comentário 3

01/12 a 31/12 - Júpiter - Visível próximo ao amanhecer - Ver comentário 4

01/12 a 31/12 - Mercúrio - Visível próximo ao amanhecer - Ver comentário 5

01/12 - 15:01 - Lua Nova

04/12 - 02:18 - Mercúrio estacionário a Oeste

04/12 - Conjunção da Lua e Vênus - Ver comentário 6

05/12 - 03:54 - Lua em perigeo - Distância = 367.367km (Ponto mais próximo da Terra na órbita da Lua).

06/12/07:29/ Chuva de Meteoros - Phoenicideos
Taxa: 6 meteoros por hora
Radiante: Delta=-53graus; Alfa= 1h12m; Altura= 0graus; Azimute=211graus

- Ver tabela chuva de meteoros


07/12 - Conjunção da Lua e Urano
- Ver comentário 7

08/12 - 09:37 - Lua Quarto Crescente

10/12 - 04:49 - Marte estacionário a Leste

12/12 - 04:23 - Ocultação de Marte pela Lua - Ver comentário 8

12/12 - 16:07 - Mercúrio elongação Oeste

14/12/02:04/ Chuva de Meteoros - Geminideos
Taxa: 90 meteoros por hora
Radiante: Delta= 33graus; Alfa= 7h30m; Altura= 19graus; Azimute= 40graus

15/12 - 16:16 - Lua Cheia

19/12 - 11:55 - Conjunção da Lua e Saturno - Ver comentário 9

21/12 - 02:49 - Lua em apogeo - Distância = 405.023km. (Ponto mais afastado da Terra na órbita da Lua).

23/12/03:00/ Chuva de Meteoros - Ursideos
Taxa: 20 meteoros por hora
Radiante: Delta= 75graus; Alfa=14h28m; Altura=-31graus; Azimute= 14graus

23/12 - 19:37 - Lua Quarto Minguante

24/12 - 10:00 - Vênus estacionário a Leste

27/12 - 00:54 - Conjunção da Lua e Júpiter - Ver comentário 10

31/12 - 03:12 - Lua Nova

31/12 - FELIZ ANO NOVO!

 

 


 

Comentários:

1- ~25/11 - Júpiter - Aproximadamente próximo do dia 25 desse mês, Júpiter estará visível e próximo da linha do horizonte. Para as regiões próximas do Equador esse astro irá surgir dias antes, enquanto para regiões com alta latitude, por exemplo Joinville, esse astro será visível após o dia 25. Para localizá-lo, basta encontrar o ponto cardeal leste, na qual esse planeta irá nascer próximo.

2- 01/11 a 30/11 - Vênus - Um pouco antes do pôr do Sol já é possível observar esse astro. Vênus estará bem acima da linha do horizonte com seu forte brilho. Para localizá-lo, observe o pôr do Sol e bem acima teremos Vênus.

3- 01/11 a ~20/11 - Mercúrio - Assim como Vênus, a localização de Mercúrio é realizada da mesma maneira. O observador deve então perceber que teremos dois astros próximos, tomando como base o pôr do Sol. Observe na figura 1 como localizar Vênus e Mercúrio, utilizando o Sol como referêncial.

Planetas Mercúrio e Vênus

Figura 1. Dinâmica dos planetas Mercúrio e Vênus.

A figura 1 foi concebida para São Paulo ás 19:30 (LT), durante os dias correspondentes. Para outras regiões com diferença de fusos, utilize a tabela 1 de Latitudes e Longitudes. A diferença da altura em relação ao solo que se encontrará os planetas, depende da latitude em que o observador estiver inserido. Para maiores informações sobre o nascer e ocaso dos planetas e do Sol utilize a calculadora do nascer e ocaso dos planetas.

4- 01/11 a 30/11 - Marte - O planeta vermelho estará observável durante toda a noite e durante todo mês. Observe na figura 2 como localizar esse astro, utilizando as constelações de Touro e Órion.

Localização de Marte

Figura 2. Marte e as constelações de Touro e Órion

A figura 2 foi concebida para São Paulo ás 23:30 (LT), para o dia primeiro de novembro de 2005. Para outras regiões com diferença de fusos horários, utilize a tabela 1 de Latitudes e Longitudes. A diferença da altura em relação ao solo que se encontrará o planeta, depende da latitude em que o observador estiver inserido. Atente que para os dias posteriores Marte irá nascer cada vez mais cedo, assim por exemplo, para São Paulo no primeiro dia do mês, esse astro irá nascer ás 19:46 e para o último dia do mês irá nascer às 17:16.

Para localizar Marte utilize a populares "Três Marias". Ainda sobre a figura 2, perceba que Marte estará próximo das Plêiades. Aproveite a oportunidade para observar esse aglomerado aberto de estrelas. O aglomerado estrelar aberto das Plêiades é o aglomerado mais brilhante de todo o céu. As Plêiades também são conhecidas por vários outros nomes tais como "Sete Irmãs", como M45 pela classificação do catálogo Messier, e como "Subaru" no Japão. Este aglomerado está localizado na constelação do Touro (Taurus). Seis das estrelas nas Plêiades são visíveis sem o auxílio de telescópios se numa noite sem poluição luminosa. Para observa-las, dê preferência para as noites em que a Lua não irá atrapalhar a observação causado pelo seu brilho. Ou seja, evite noites que a Lua está na fase cheia. Aproximadamente 500 estrelas pertencem ao aglomerado estrelar aberto das Plêiades e a maioria delas são fracas. Munido de um simples instrumento o observador poderá visualizar o aglomerado. Observe na figura 3 as Plêiades.

Plêiades

Figura 3. Plêiades

Crédito: Han Kleijns - http://www.hnsky.org/image-i.htm

Outra observação interessante é a chamada Nebulosa de Órion. Para encontrar essa nebulosa, localize as populares "Três Marias" e as estrelas Rigel e Saiph que, entre esses astros será possível observar essa nebulosa difusa. Catalogada como M42, a Nebulosa de Órion dista aproximadamente 1600 anos-luz e é possível observá-la a olho nu, caso o observador esteja distante das luzes produzida pelas cidades e sem o brilho da Lua. A observação dessa nebulosa será mais proveitosa, caso o observador contar com um telescópio ou um binóculo.

M42 - Nebulosa de Órion

Crédito: Han Kleijns - http://www.hnsky.org/image-i.htm

 

 

 

 

 

 

 

 

5- 01/10 a 31/10 - Saturno - Um pouco antes do amanhecer esse belo planeta irá surgir. É interessante saber o horário do nascer de Saturno e também do Sol, para poder programar sua observação. Verifique os horários utilizando a calculadora do nascer e ocaso dos planetas.

6- 03/10 - Eclipse Solar Anular - Não visível no Brasil - O quarto eclipse anular do Sol do século XXI e o segundo de 2005, será visível na forma parcial sobre quase todos os continentes da Europa, África e Ásia. Sua faixa de centralidade irá iniciar-se no Oceano Atlântico norte, atravessando norte de Portugal, Espanha, Argélia, Tunísia e Líbia. O fim do eclipse irá ocorrer no meio do Oceano Índico. Para os residentes da América Latina nos resta acompanhar pela internet ou viajar até Madri, local que será melhor observado o eclipse. Para maiores informações acesse:

http://sunearth.gsfc.nasa.gov/eclipse/OH/OH2005.html - (em inglês) Site da Royal Astronomical Society of Canada que possui todas as informações necessárias.

NASA - (em inglês) Site da NASA que possui diversas informações, além de 10 câmeras que irão transmitir ao vivo o eclipse espalhadas em diversos pontos da Europa.

http://www.live-eclipse.org/ - (em inglês, espanhol e japonês) Site da Live! Universe que possui informações sobre do eclipse, além da transmissão ao vivo.

7- 04/10 - Ocultação de Mercúrio pela Lua e Conjunção da Lua e Júpiter - A diferença entre conjunção e ocultação é que conjunção significa a configuração apresentada por dois astros no instante em que suas longitudes geocêntricas, ou ascenções retas atingem um mesmo valor, enquanto ocultação é quando um astro desaparece pela interposição de outro de diâmetro aparentemente superior à sua frente, durante seu movimento relativo. Em termos simplista, a conjunção é uma aproximação entre dois astros e a ocultação é o desaparecimento de um astro no outro, como uma espécie de eclipse. Porém esses dois fenômenos não serão observáveis no Brasil e Argentina. O que iremos ver, é a proximidade da Lua com esses dois planetas no entardecer do dia 04, conforme a figura 4 ilustra. Será um belo espetáculo.

Lua, Júpiter e Mercúrio

Figura 4. Lua, Júpiter e Mercúrio

8- 05/10 - Conjunção da Mercúrio e Júpiter - Esse fenômeno não será visível no Brasil e Argentina, restando apenas apreciar sua proximidade. Observe a figura 1, que ilustra o dia 05.

9- 07/10 - Conjunção da Lua e Vênus - Será um belo espetáculo no início do entardecer, pois a Lua estará bem perto de Vênus. A mesma observação poderá ser feita no dia 06.

10- 17/10 - Eclipse parcial da Lua- Esse eclipse será visível no Oceano Pacífico, Austrália, Alasca, Canadá, parte ocidental da América do Norte, Sibéria e parte oriental da Ásia. No Brasil, mais especificamente na região Amazônia e o estado do Acre, a observação do eclipse ocorrerá na sua fase penumbral durante o ocaso da Lua, semelhante ao eclipse penumbral da Lua ocorrido em 24 de abril desse ano (figura 5).

Eclipse penumbral da Lua ocorrido em 24 de abril de 2005

Figura 5. Eclipse penumbral da Lua ocorrido em 24 de abril de 2005

Para maiores informações visite:

http://sunearth.gsfc.nasa.gov/eclipse/OH/OH2005.html - (em inglês) Site da Royal Astronomical Society of Canada que possui todas as informações necessárias.

NASA - (em inglês) Site da NASA que possui diversas informações, além de 10 câmeras que poderão transmitir ao vivo o eclipse espalhadas em diversos pontos da Europa.

Chuva de meteoros:

Chuva
P
M
C
CCT
THZ
r
V
Obs.
Eta Cetídeos
20/09 02/11
01/10
Cetus

a=15

d=-13

--
--
--
11
Cygnídeos
22/09 11/10
04/10
Cygnus

a=305

d=+57

--
--
--
12
Cetídeos de outubro
08/09 30/10
05/10

Cetus

a=28

d=+04

04
--
--
13
Delta Aurigídeos
22/09 23/10
06/10

Auriga

a=85

d=+52

--
--
--
14
Draconídeos
06/10 10/10
08/10

Draco

a=290

d=+65

P
2.6
20
15
Piscídeos
--
13/10

Peixes

a=26

d=+14

P
--
--
16
Cetídeos
--
15/10

Cetus

a=30

d=-10

05
--
--
--
Épsilon Geminídeos
14/10 27/10
18/10

Gêmeos

a=102

d=+27

25
--
70
17
Orionídeos
15/10 29/10
20/10

Órion

a=96

d=+15

25
--
66
18

Tabela de chuvas de meteoro

Legenda:

Chuva - indica o nome da chuva em questão;

P - Período em que ocorrerá a chuva;

M - Momento máximo que irá ocorrer a chuva. Essa é a melhor data para se observar a chuva;

C - Constelação que irá ocorrer a chuva;

CCT - Posição sugerida de observação;

THZ - Taxa Horária Zenital - um número máximo calculado de meteoros que um observador pode apreciar, numa noite sem a inferência da Lua, com o céu perfeitamente limpo e com radiante sobre a cabeça do observador (zênite). Quando ocorrer uma chuva periódica, ou seja, sem previsão da taxa por hora, a mesma será representada pela letra P;

r - Índice provável de magnitude da chuva. Quanto menor o valor mais fácil será sua observação;

V - Velocidade de entrada atmosférica do meteoro, dada em km/s. As velocidades variam entre 11 km/s (muito lento), 40 km/s (médio) e 72 km/s (muito rápido).

Obs. - Quando existir o número, a chuva será comentada no seu respectivo número.

Comentários para chuva de meteroros:

Para uma melhor localização das constelações utilize a carta celeste on-line

11- 01/10 - Chuva de meteroros Eta Cetídios - Essa chuva de meteoros encontra-se na constelação da Baleia, que irá surgir próxima do ponto cardeal leste e "caminhará" para o ponto cardeal sul, na qual atingira a região próxima do zênite (maior altura em relação ao observador) na madruga de 02/10 e continuará seu "passeio" até o amanhecer. Outra forma de localizá-la é através de Marte que estará próxima dessa constelação. Será uma excelente chuva para se observar, uma vez que nessa noite a Lua não irá aparecer durante todo o período.

12- 04/10 - Chuva de meteroros Cygnídeos - Essa chuva de meteoros encontra-se na constelação de Cisne. Para encontrar essa região, logo após o ocaso do Sol, utilize o ponto cardeal norte e suba aproximadamente 45 graus acima da linha do horizonte. Esse valor está compreendido entre a linha do horizonte e a parte mais alta da abóboda celeste (céu).

13- 05/10 - Chuva de meteroros Cetídios - Essa chuva de meteoros encontra-se novamente na constelação da Baleia. A sua localização é mesma mencionada no dia 01/10. Novamente será uma chuva interessante de ser observada, apesar pequena taxa de meteoros por hora (apenas 4).

14- 06/10 - Chuva de meteroros Delta Aurigídeos - Localizada na constelação do Cocheiro essa constelação irá se localizar próxima do ponto cardeal nordeste. Para localiza-la, utilize as constelações de Touro e Órion que estarão próximo do ponto cardeal leste.

15- 08/10 - Chuva de meteroros Draconídeos - Na constelação do Dragão teremos essa chuva de meteoros que irá contar com uma taxa de meteoros incerta, numa velocidade de queda muito lenta. Esta chuva está associada a passagem do cometa 21P/Giacobini-Zinner, que passou no periélio em 1998 proporcionando uma taxa de 700 meteoros por hora. O fato é que esse cometa voltou em julho desse ano ocasionando assim, um valor incerto a sua taxa horária. Como em 1933 e 1946 suas taxas de meteoros por hora foram de 500, há uma grande espectativa que tenhamos um belo espetáculo no céu. Para ajudar ainda mais, não teremos o brilho da Lua que muitas vezes atrapalham a observação. O único problema será o local de observação. Essa constelação típica do Hemisfério Norte será observada apenas as latitudes acima da linha do Equador. Ainda quem estiver localizado numa latitude abaixo e próxima da linha do Equador, no Brasil, poderá observar essa chuva que irá se localizar próxima do ponto cardeal norte.

16- 13/10 - Chuva de meteroros Piscídeos - Com uma taxa horária desconhecida essa constelação estará próxima de Marte durante quase toda a noite. Com 74,67% do disco iluminado, a Lua poderá atrapalhar sua observação.

17- 18/10 - Chuva de meteroros Épsilon Geminídeos - Não será uma chuva interessante de ser observada, apesar da sua taxa horária. Isto porque o forte brilho da Lua (99,36% do disco iluminado) irá atrapalhar e muito sua observação. A constelação de Gêmeos se localiza entre as constelações de Órion e Touro.

18- 20/10 - Chuva de meteroros Orinídeos - Para localizar essa chuva de meteoros basta encontrar as populares "Três Marias". Nessa região da constelação de Órion itá ocorrer uma incidência de 25 meteoros por hora, com velocidade relativamente rápida, cerca de 66 km/s. Essa constelação irá surgir no início da madrugada. O maior problema é a Lua que estará com cerca de 86% do seu disco iluminado e perto dessa constelação. São dois fatores que atrapalham muito a observação.

Aprenda a ver uma chuva de meteoros. Clique aqui.

Dúvidas, sugestões e outras envie um email para projetosky@futuro.usp.br

BOAS OBSERVAÇÕES!!!