Visit Citebite Deep link provided by Citebite
Close this shade
Source:  http://www.jornalopcao.com.br/index.asp?secao=Imprensa&subsecao=Colunas&idjornal=363
Goiânia, 12 de outubro de 21
De: 04 a 10 de outubro de 2009

  .:: Editorial
  .:: Conexão
  .:: Ponto de Partida
  .:: Bastidores
  .:: Reportagens
  .:: Entrevistas
  .:: Direto do Oriente Médio
  .:: Contraponto
  .:: Ideias
  .:: Economia
  .:: Brasília & Entorno do DF
  .:: Cartas
  .:: Imprensa
  .:: A Semana
  .:: Opção Cultural
  .:: Otávio Lage
(+) listar mais 
  .:: Edições Anteriores
  .:: Contato
  .:: Expediente

Clique aqui para imprimir Clique aqui para enviar essa matéria por e-mail
  Imprensa

Euler de França Belém
ffeubel@uol.com.br

O ho­mem-re­da­ção

Na re­da­ção do Jor­nal Op­ção, nós cha­ma­mos Wil­son Sil­ves­tre de o “ho­mem-re­da­ção”. Ele pau­ta, es­cre­ve e, se ne­ces­sá­rio, di­a­gra­ma. Co­mo edi­tor da co­lu­na “Bra­sí­lia e En­tor­no do DF”, Wil­son faz jor­na­lis­mo de pri­mei­ra, an­te­ci­pan­do até mes­mo a ati­la­da im­pren­sa da ca­pi­tal do pa­ís. A mai­o­ria dos jor­nais des­co­briu ago­ra as “li­ga­ções” de Ro­riz com o PSC, mas, bem an­tes, Wil­son ex­pli­cou que não ti­nha ou­tra sa­í­da, ex­ce­to o pe­que­no par­ti­do.

O PSC não é um par­ti­do de alu­guel, mas es­tá sen­do usa­do co­mo tal por Ro­riz e seu acó­li­tos.

Sem o apoio do PMDB, Roriz está tentando se cercar dos setores mais fisiológicos da política do Distrito Federal. Bom para José R. Arruda.

No­va tra­du­ção de Kafka pre­ten­de res­ga­tar seu hu­mor

Fe­liz do pa­ís que po­de con­tar com três tra­du­ções, di­re­tas do ale­mão, da no­ve­la “A Me­ta­mor­fo­se”, de Franz Kafka. A mais co­nhe­ci­da é a de Mo­des­to Ca­ro­ne. O pro­fes­sor e es­cri­tor tra­du­ziu, não sei se a obra com­ple­ta, os prin­ci­pa­is tex­tos do au­tor ju­deu, co­mo “O Pro­ces­so”, “O Cas­te­lo” e “A Me­ta­mor­fo­se”. Su­as tra­du­ções (que saí­ram pe­la Bra­si­li­en­se e, mais re­cen­te­men­te, pe­la Com­pa­nhia das Le­tras), con­si­de­ra­das de ex­ce­len­te ní­vel, e ex­pli­ca­ções con­tri­bu­em pa­ra o en­ten­di­men­to de uma obra que, a ca­da lei­tu­ra, pa­re­ce fi­car mais com­ple­xa e, tam­bém, com­ple­ta. A tra­du­ção de Mar­ce­lo Backes (pa­ra a edi­to­ra L&PM), tam­bém es­cor­rei­ta, é bem ano­ta­da, com pre­fá­cio e co­men­tá­rio fi­nal. A edi­ção mais re­cen­te sai pe­la Edi­to­ra He­dra, com tra­du­ção e in­tro­du­ção de Cel­so Do­ni­ze­te Cruz.

O pro­fes­sor Cel­so Cruz que, ini­ci­al­men­te, pen­sou em cha­mar a no­ve­la de “A Trans­for­ma­ção”, co­mo “mo­do de re­cu­pe­rar a re­pe­ti­ção so­no­ra do sub­stan­ti­vo ale­mão do tí­tu­lo ori­gi­nal, ´Verwandlung´, que ecoa na for­ma ver­bal ´verwan­delt´ (´trans­for­ma­do´), no fim da pri­mei­ra fra­se da nar­ra­ti­va, con­si­de­ra­da por mui­tos a sen­ten­ça de aber­tu­ra mais cé­le­bre de to­da a li­te­ra­tu­ra”. En­tre­tan­to, co­mo a no­ve­la é mais co­nhe­ci­da co­mo “A Me­ta­mor­fo­se”, por ra­zões cer­ta­men­te mui­to mais mer­ca­do­ló­gi­cas, (“Ca­va­la­ria Ver­me­lha”, de Isa­ac Bá­bel, ga­nhou no­va tra­du­ção, com no­vo tí­tu­lo, pe­la Co­sac­naify, mas o li­vro con­ti­nua sen­do cha­ma­do de “Ca­va­la­ria Ver­me­lha”), a edi­to­ra e o tra­du­tor op­ta­ram por man­ter o tí­tu­lo clás­si­co.

Po­de pa­re­cer sur­pre­en­den­te, mas Cel­so Cruz re­ve­la que, en­tre 1956 e 2002, “con­tam-se no pa­ís pe­lo me­nos 21 edi­ções di­fe­ren­tes” de “A Me­ta­mor­fo­se” e acres­cen­ta que, ao con­trá­rio do que se pen­sa, Jor­ge Lu­is Bor­ges não tra­du­ziu a no­ve­la. A pri­mei­ra tra­du­ção, em­pre­en­di­da pe­lo há­bil Bren­no Sil­vei­ra a par­tir do in­glês, é de 1956. Se tem de­fei­tos, por não ter si­do fei­ta ten­do co­mo pon­to de par­ti­da o ale­mão, não é ru­im co­mo a de Tor­ri­e­ri Gui­ma­rã­es.

Por que “A Me­ta­mor­fo­se” (es­cri­ta em 20 di­as) agra­da e, cla­ro, as­sus­ta tan­to os lei­to­res? “O de­ses­pe­ro do ho­mem mo­der­no em re­la­ção à exis­tên­cia, a eter­na bus­ca de al­go que não es­tá mais à dis­po­si­ção, a per­gun­ta por aqui­lo que não tem res­pos­ta são as ca­rac­te­rís­ti­cas mais mar­can­tes de sua obra” (não ape­nas da no­ve­la), diz Backes. “Kafka es­cre­ve o evan­ge­lho da per­da. Ele é o es­cri­tor do lus­co-fus­co, o po­e­ta da pe­num­bra, a li­te­ra­tu­ra em seu pró­prio cre­pús­cu­lo. O re­a­lis­mo de Kafka é má­gi­co, mas só­brio ao mes­mo tem­po; seu hu­mor às ve­zes é gro­tes­co, ou­tras ve­zes irô­ni­co, mas no fun­do sem­pre car­re­ga­do de se­ri­e­da­de. Sua pro­sa é du­ra, se­ca e des­po­ja­da.” Cel­so Cruz diz que, ao ler Kafka, o lei­tor to­pa “com ter­ror es­tra­nho e ines­pe­ra­do, por ve­zes mais en­gra­ça­do que afli­ti­vo”.

Um dos res­ga­tes de Cel­so Cruz é o hu­mor de Kafka. “Con­for­me re­za a len­da, Kafka” che­gou “as gar­ga­lha­das ao ler a nar­ra­ti­va em pri­mei­ra mão pa­ra os ami­gos. Acre­di­to que fal­te uma pi­ta­da mai­or des­se hu­mor nas edi­ções e tra­du­ções bra­si­lei­ras. (...) Es­se veio in­ter­pre­ta­ti­vo fi­cou meio es­que­ci­do nas vá­ri­as edi­ções pos­te­rio­res. A tô­ni­ca foi mais pa­ra o hor­ror ou pa­ra o trá­gi­co, que fa­zem jus­ti­ça, mas não a es­go­tam.”

So­bre a opor­tu­ni­da­de da no­va tra­du­ção, es­cre­ve Cel­so Cruz: “Uma no­va tra­du­ção é só mais uma pro­pos­ta de in­ter­pre­ta­ção, sem­pre pos­sí­vel por­que o con­tex­to de re­cep­ção nun­ca é es­tá­vel. O clás­si­co atra­ves­sa as ge­ra­ções, ten­do sem­pre o que di­zer a ca­da uma de­las. Há por­tan­to sem­pre uma opor­tu­ni­da­de de re­no­va­ção a com­pro­var o seu vi­gor atem­po­ral”.

Pri­mei­ro pa­rá­gra­fo de “A Me­ta­mor­fo­se”, na tra­du­ção de Cel­so Cruz: “Cer­ta ma­nhã, ao des­per­tar de um so­nho in­qui­e­to, Gre­gor Sam­sa des­co­briu-se em sua ca­ma trans­for­ma­do num in­su­por­tá­vel in­se­to [“in­se­to mons­tru­o­so”, na ver­são de Backes]. Dei­ta­do de cos­tas, du­ras co­mo um cas­co, ele viu, ao er­guer um pou­co a ca­be­ça, sua ca­be­ça, sua bar­ri­ga ar­re­don­da­da, par­da­cen­ta, re­par­ti­da por pre­gas ar­que­a­das, do al­to da qual a co­ber­ta, já qua­se to­da ca­í­da, es­cor­re­ga­va. Di­an­te de seus olhos mo­vi­am-se de­ses­pe­ra­das su­as vá­ri­as per­nas, ri­di­cu­la­men­te fi­nas em com­pa­ra­ção com su­as pro­por­ções de an­tes”.

Edi­to­ra He­dra apos­ta nos clás­si­cos

A Edi­to­ra He­dra es­pe­cia­li­zou-se nu­ma área que es­ta­va fo­ra de mo­da, não por fal­ta de lei­to­res, e sim de edi­to­res que não apos­tem ape­nas em best sel­lers vi­ta­mi­na­dos por su­ces­sos no ci­ne­ma. Além de pu­bli­car clás­si­cos, com no­vas ou ve­lhas tra­du­ções, a edi­to­ra en­co­men­da in­tro­du­ções que, es­cla­re­ce­do­ras, si­tuam as obras no qua­dro ge­ral da li­te­ra­tu­ra e fa­ci­li­tam o en­ten­di­men­to dos lei­to­res.

Um dos mais im­por­tan­tes lan­ça­men­tos é o li­vro “Vi­a­gem em Vol­ta do Meu Quar­to” (141 pá­gi­nas), acres­ci­do de “Ex­pe­di­ção No­tur­na em Vol­ta do Meu Quar­to”, de Xa­vi­er de Ma­is­tre, au­tor que, ao la­do de Lau­ren­ce Ster­ne, in­flu­en­ciou Ma­cha­do de As­sis na com­po­si­ção de “Me­mó­ri­as Pós­tu­mas de Brás Cu­bas”. A tra­du­ção e a in­tro­du­ção é da pro­fes­so­ra San­dra M. Stro­pa­ro. “Lau­ren­ce Ster­ne é o prin­ci­pal pa­râ­me­tro li­te­rá­rio: fa­zer de qual­quer te­ma, mo­ti­vo, dú­vi­da ou cer­te­za uma ra­zão pa­ra lon­gas elu­cu­bra­ções é o mé­to­do pre­fe­ri­do da épo­ca, que vai do sa­lão ao tex­to fi­lo­só­fi­co e às me­lho­res li­te­rá­ri­as. Pa­ra quem se lem­brou de al­go pa­re­ci­do, qual­quer se­me­lhan­ça com as ´Me­mó­ri­as Pós­tu­mas de Brás Cu­bas´ não é me­ra co­in­ci­dên­cia”. O fran­cês Ma­is­tre foi ge­ne­ral rus­so.

Uma das bo­as no­tí­cias da He­dra é que ad­qui­riu as ver­sõ­es­de Pé­ri­cles Eu­gê­nio da Sil­va Ra­mos (1919-1992), um dos mais qua­li­fi­ca­dos tra­du­to­res do pa­ís. Um de seus por­ten­tos tra­du­tó­rios é “Ode ao Ven­to Oes­te e Ou­tros Po­e­mas”, do po­e­ta in­glês P. B. Shel­ley. A eru­di­ta in­tro­du­ção tam­bém é de Pé­ri­cles Eu­gê­nio. Um dos pon­tos cen­tra­is é o po­e­ma lon­go “Ado­nais: ele­gia pe­la mor­te de John Ke­ats”.

De Her­man Mel­vil­le, te­mos “Hawthor­ne e Seus Mus­gos”, com tra­du­ção e in­tro­du­ção de Lu­iz Ro­ber­to Takaya­ma.

A He­dra rein­ven­tou uma coi­sa que fal­ta­va no mer­ca­do edi­to­ri­al: li­vros de qua­li­da­de com pre­ços bai­xos. Me­nos de 20 re­ais. A L&PM an­te­ci­pou-a, pu­bli­ca li­vros de qua­li­da­de, mas edi­ta qua­se tu­do, do lu­xo ao li­xo. Com­pa­nhia das Le­tras e Re­cord se­guem pe­lo mes­mo ca­mi­nho, mas com pre­ços li­gei­ra­men­te su­pe­ri­o­res.

In­ter­net po­de po­li­ci­ar im­pren­sa

O ex­pe­ri­men­ta­do jor­na­lis­ta Car­los Ho­no­ra­to diz que a in­ter­net vai ter um pe­so de­ci­si­vo nas cam­pa­nhas, es­pe­ci­al­men­te em re­gi­ões nas qua­is a im­pren­sa é ex­ces­si­va­men­te de­pen­den­te dos go­ver­nan­tes e, por­tan­to, é usa­da pa­ra ata­car ad­ver­sá­rios po­lí­ti­cos. Edi­tor de um blog azei­ta­do, o BSB — Es­ta­ção da No­tí­cia (www.car­los­ho­no­ra­to.com.br), Ho­no­ra­to, ex-edi­tor do “Cor­reio Bra­zi­li­en­se”, com pas­sa­gens pe­lo Jor­nal Op­ção e pe­lo “Di­á­rio da Ma­nhã” (in­te­grou a de­can­ta­da equi­pe de Was­hing­ton No­va­es), diz que, se os jor­nais se equi­vo­ca­rem — a lin­gua­gem cer­ta é “men­ti­rem” —, tão-lo­go che­guem à in­ter­net, an­tes mes­mo de ir às ban­cas, co­me­ça­rão a ser des­mo­ra­li­za­dos em blogs de pro­fis­si­o­nais e mes­mo de lei­to­res co­muns (mas aten­tos) ou de gru­pos partidários.

A in­ter­net, com sua in­fi­ni­da­de de blogs, po­de ser usa­da co­mo uma es­pé­cie de po­lí­cia dos jor­nais im­pres­sos (e não só). An­tes da in­ter­net, os jor­nais eram so­be­ra­nos e só po­di­am, quan­do po­di­am, ser des­men­ti­dos na edi­ção se­guin­te. Ago­ra, pe­lo con­trá­rio, po­dem ser des­men­ti­dos, com im­pac­to ful­mi­nan­te, mi­nu­tos de­pois de saí­rem. É a tec­no­lo­gia a ser­vi­ço da in­for­ma­ção cor­re­ta e da di­ver­si­da­de de opi­ni­ões.

Grou­cho Marx

Can­di­da­to a de­pu­ta­do es­ta­du­al, o ex-pit boy Le­an­dro Se­na apre­sen­ta-se, ago­ra, co­mo “am­bien­ta­lis­ta”. Se o lei­tor não acre­di­ta na “trans­for­ma­ção”, de­ve ler en­tre­vis­ta con­ce­di­da por Se­na ao re­pór­ter Wel­li­ton Car­los, do “Di­á­rio da Ma­nhã”.

Cláu­dio Cu­ra­do dei­xa rá­dio 730

O jor­na­lis­ta Cláu­dio Cu­ra­do dei­xou o jor­na­lis­mo da Rá­dio 730. Uma gran­de per­da, pois é um pro­fis­si­o­nal com­pe­ten­te e sé­rio.

Cosac es­con­de no­me de se­gun­do tra­du­tor

O li­vro “A Cul­tu­ra do Ro­man­ce” (Co­sac­naify), or­ga­ni­za­do pe­lo crí­ti­co li­te­rá­rio ita­li­a­no Fran­co Mo­ret­ti, o mar­xis­ta que abo­mi­na Ha­rold Blo­om, che­gou com es­tar­da­lha­ço. Co­mo se con­ti­ves­se o “úl­ti­mo” se­gre­do de Fá­ti­ma da li­te­ra­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal. Mas De­ni­se Bottmann apre­sen­ta o pri­mei­ro pro­ble­ma. Tra­du­ziu 70% das mais de mil pá­gi­nas, mas a edi­to­ra não no­me­ou o tra­du­tor das ou­tras pá­gi­nas. Ela exi­ge que o no­me do tra­du­tor se­ja di­vul­ga­do. É o de­cen­te.

Freud de Me­lo defende Diário da Manhã e acu­sa Pop de to­lher li­ber­da­de de im­pren­sa

Con­tra­ri­an­do o Ins­ti­tu­to Ve­ri­fi­ca­dor de Cir­cu­la­ção (IVC), o ex-pre­fei­to de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia Freud de Me­lo ga­ran­te que “o Di­á­rio da Ma­nhã tor­nou-se o jor­nal mais li­do em Go­i­ás”. Se acre­di­tar­mos nos da­dos for­ne­ci­dos pe­las pró­pri­as em­pre­sas, o di­á­rio de mai­or cir­cu­la­ção é o po­pu­la­res­co “Da­qui” (não sei se o mais li­do), se­gui­do do “Pop” (tal­vez o mais li­do). O “Di­á­rio da Ma­nhã” é o ter­cei­ro, com o “Ho­je” em quar­to. “Ba­tis­ta Cus­tó­dio tem to­da ra­zão” é o tí­tu­lo do ar­ti­go do po­lí­ti­co e em­pre­sá­rio.

Nin­guém do “Pop” res­pon­deu, mas Freud de Me­lo faz uma crí­ti­ca mui­to sé­ria: “O Po­pu­lar é um jor­nal eli­tis­ta que se­le­ci­o­na os es­cri­tos da­que­les que vez [ou] ou­tra são edi­ta­dos em su­as pá­gi­nas [Freud su­ge­re, por­tan­to, que o “Di­á­rio da Ma­nhã” não “se­le­ci­o­na” seus co­la­bo­ra­do­res]. Não con­ce­de li­ber­da­de de im­pren­sa e se es­qui­va na re­pro­du­ção dos fa­tos go­ver­na­men­tais pa­ra não con­tra­ri­ar os de­ten­to­res do po­der, por­que a im­pren­sa de Go­i­ás e de res­to no Bra­sil só so­bre­vi­ve com o fi­nan­cia­men­to go­ver­na­men­tal”.

Não sei se o “Pop” in­ter­fe­re nos ar­ti­gos de seus co­la­bo­ra­do­res, de­ter­mi­nan­do uma li­nha, mas, quan­to ao po­der pú­bli­co, pe­lo me­nos nos úl­ti­mos três anos, tem se mos­tra­do mais crí­ti­co do que o “DM”. Di­zem que Freud é “ma­lu­co”, ele mes­mo diz que co­me­te “doi­dei­ras”, mas sua crí­ti­ca, se ver­da­dei­ra, é mui­to sé­ria. O di­re­tor de Jor­na­lis­mo da Or­ga­ni­za­ção Jai­me Câ­ma­ra, Lu­iz Fer­nan­do Ro­cha Li­ma, um pro­fis­si­o­nal sé­rio, tem de se ma­ni­fes­tar. Ele ou o edi­tor do jor­nal, Jo­ão Unes.

Num pon­to, não há co­mo dis­cor­dar do ex-pre­fei­to: os jor­nais, as te­le­vi­sões, as re­vis­tas e os rá­di­os são mes­mo de­pen­den­tes dos go­ver­nos. Uns me­nos, ou­tros mais. Em ter­mos na­ci­o­nais, a “Ve­ja” se des­ta­ca nas crí­ti­cas ao go­ver­no Lu­la. A “Épo­ca” cri­ti­ca, mas pe­ga mais le­ve. A “Is­toÉ” fi­ca no meio do ca­mi­nho, even­tual­men­te crí­ti­ca mas no li­miar do go­ver­nis­mo. A “Car­ta­Ca­pi­tal” man­tém o es­pí­ri­to crí­ti­co em al­gu­mas ques­tões, co­mo no ca­so de Ce­sa­re Bat­tis­ti, mas no ge­ral é, mais do que pe­tis­ta, lu­lis­ta.

A “Fo­lha de S. Pau­lo ten­ta guar­dar cer­ta in­de­pen­dên­cia, mas os pe­tis­tas su­ge­rem que apoia o go­ver­na­dor Jo­sé Ser­ra. Se não é in­tei­ra­men­te acrí­ti­ca em re­la­ção ao tu­ca­no, a “Fo­lha” tam­bém não é con­tun­den­te. Cri­ti­ca com mais âni­mo o go­ver­no Lu­la. O “Es­ta­dão” man­tém a crí­ti­ca, com re­por­ta­gens às ve­zes cáus­ti­cas, mas, em­bo­ra se­ja mais pro­fun­do, é me­nos ins­ti­gan­te do que a “Fo­lha”. A “Fo­lha” fus­ti­ga mais, so­bre­tu­do no seu es­pa­ço de opi­ni­ão. Sur­pre­en­den­te­men­te, “O Glo­bo” mui­tas ve­zes su­pe­ra “Fo­lha” e “Es­ta­dão” em in­de­pen­dên­cia e vo­lu­me de de­nún­cias fun­da­men­ta­das.

Ama­do­ris­mo da ESPN na co­ber­tu­ra de bo­xe

A ESPN mos­trou cer­to ama­do­ris­mo na co­ber­tu­ra da lu­ta de bo­xe en­tre Vi­ta­li Klitschko e Chris Ar­re­o­la no sá­ba­do, 26. Quem viu o du­e­lo com isen­ção per­ce­beu que, se o ame­ri­ca­no de ori­gem me­xi­ca­na Ar­re­o­la era mais agres­si­vo, o ucra­nia­no Klitschko era mais con­tun­den­te. Mes­mo as­sim, o co­men­ta­ris­ta Eduar­do Oha­ta e o nar­ra­dor tor­ci­am cla­ra­men­te pa­ra Ar­re­o­la, sem per­ce­ber que Vi­ta­li, um bo­xe­a­dor for­te mas bu­ro­crá­ti­co, es­ta­va bem me­lhor, sol­tan­do gol­pes mais for­tes e es­qui­van­do-se, no seu es­ti­lo de­fen­si­vo, dos ata­ques do opo­nen­te. De­pois do 10º as­sal­to, Ar­re­o­la, san­gran­do mui­to pe­lo na­riz, não vol­tou. O co­men­ta­ris­ta (qua­se sem­pre só­brio) e o nar­ra­dor da ESPN dis­se­ram que o nor­te-ame­ri­ca­no es­ta­va ven­cen­do e su­ge­ri­ram que ha­via al­gu­ma coi­sa es­tra­nha. In­for­ma­ram que a lu­ta ha­via si­do en­cer­ra­da pe­lo ár­bi­tro. Es­ta­vam er­ra­dos. Os au­xi­li­a­res de Ar­re­o­la im­pe­di­ram sua vol­ta, pa­ra evi­tar um cas­ti­go mais du­ro, um no­cau­te ve­xa­tó­rio pa­ra uma pro­mes­sa do bo­xe. A in­for­ma­ção er­ra­da di­vul­ga­da pe­lo co­men­ta­ris­ta e pe­lo nar­ra­dor in­di­ca que tra­ba­lham no es­cu­ro, sem ne­nhum con­ta­to com a ma­triz, nos Es­ta­dos Uni­dos.

Quem tem o ca­nal Pre­mi­è­re Com­ba­te po­de ver al­gu­mas ba­ta­lhas no­tá­veis de Manny Pac­qui­ao, o me­lhor pu­gi­lis­ta da atu­a­li­da­de, em to­das as ca­te­go­ri­as. Pac­man tem quei­xo de aço e mãos de pe­dra.

Polyanna Borges e jor­na­lis­mo res­pon­sá­vel

Vin­te e seis lei­to­res (17 mu­lhe­res) en­vi­a­ram e-mails per­gun­tan­do se a co­ber­tu­ra do as­sas­si­na­to da pu­bli­ci­tá­ria Po­li­an­na Ar­ru­da Bor­ges tem si­do cor­re­ta. Al­guns lei­to­res su­ge­rem que a im­pren­sa es­tá es­con­den­do al­gu­ma coi­sa, a pe­di­do da po­lí­cia.

Dis­cor­do dos lei­to­res. A con­du­ta da im­pren­sa, até aqui, tem si­do exem­plar. Ou os lei­to­res que­rem que os jor­na­lis­tas pro­du­zam ou­tra Es­co­la Ba­se? Há vá­rios bo­a­tos, so­bre “o” res­pon­sá­vel ou “os” res­pon­sá­veis pe­lo cri­me — al­guns de­les ab­sur­dos, ou­tros plau­sí­veis, mas, por en­quan­to, não há pro­vas. Um ino­cen­te po­de ter sua vi­da ar­rui­na­da se apa­re­cer co­mo sus­pei­to. Em re­por­ta­gens po­li­ci­ais, sus­pei­tos são qua­se cul­pa­dos.

A po­lí­cia não pe­diu pa­ra a im­pren­sa “se­gu­rar” quaisquer in­for­ma­ções. Na ver­da­de, os jor­nais, ao não pu­bli­ca­rem os bo­a­tos, que en­vol­vem pes­so­as que po­dem ser ino­cen­tes, vem man­ten­do uma co­ber­tu­ra res­pon­sá­vel.

O de­ses­pe­ro de Mar­tin Cla­ret

O em­pre­sá­rio Mar­tin Cla­ret não con­se­guiu ven­der a edi­to­ra Mar­tin Cla­ret pa­ra os es­pa­nhóis que com­pra­ram a Edi­to­ra Ob­je­ti­va e lan­ça­ram o se­lo Al­fa­gu­a­ra. A de­nún­cia de plá­gio pu­bli­ca­da pe­lo Jor­nal Op­ção abor­tou a ven­da.

In­sa­tis­fei­to por­que o ne­gó­cio não foi con­cre­ti­za­do, Mar­tin Cla­ret in­ter­pe­lou ju­di­cial­men­te a tra­du­to­ra De­ni­se Bottmann. Cri­me de De­ni­se: as­si­na um blog (Não Gos­to de Plá­gio) no qual pu­bli­ca de­nún­cias de plá­gios e ci­tou ca­sos di­vul­ga­dos pe­lo Jor­nal Op­ção e ou­tros jor­nais. De­ni­se tem vá­ri­as vir­tu­des; ci­to du­as: é sé­ria e com­pe­ten­te. O pla­gi­á­rio, o cri­mi­no­so, quer pro­ces­sar quem não co­me­teu cri­me al­gum. Por­que foi acio­na­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de São Pau­lo e per­deu di­nhei­ro.

Ao apu­rar que a Mar­tin Cla­ret ha­via pla­gi­a­do “A Re­pú­bli­ca”, de Pla­tão (o fi­ló­so­fo Gon­ça­lo Pa­lá­cios des­co­briu o plá­gio e eu es­cre­vi a re­por­ta­gem), o Jor­nal Op­ção li­gou pa­ra seu pro­pri­e­tá­rio. Afá­vel, apre­sen­tan­do-se co­mo “ve­lho”, Mar­tin Cla­ret su­ge­riu que o jor­nal pu­bli­cas­se a re­por­ta­gem só de­pois que ti­ves­se ne­go­ci­a­do a edi­to­ra com os es­pa­nhóis. Não foi aten­di­do. O Jor­nal Op­ção pu­bli­cou a ma­té­ria e a “Fo­lha de S. Pau­lo” am­pliou a de­nún­cia.

Agên­cias con­tro­lam Pop e DM

O lei­tor Pe­dro Pau­lo diz que é lei­tor do “Di­á­rio da Ma­nhã” e apre­sen­ta uma crí­ti­ca à co­ber­tu­ra au­to­mo­bi­lís­ti­ca do jor­nal. “An­tes de ler a re­por­ta­gem, dou uma olha­da nos grá­fi­cos em bus­ca de in­for­ma­ções sin­te­ti­za­do­ras. Na edi­ção de se­gun­da-fei­ra, 28, pro­cu­rei o grá­fi­co mos­tran­do os pon­tos dos pi­lo­tos de Fór­mu­la 1, de­pois da vi­tó­ria de Lewis Ha­mil­ton no GP de Cin­ga­pu­ra. Não en­con­trei. O jor­nal só pu­bli­cou a clas­si­fi­ca­ção da pro­va e os nú­me­ros do “mun­di­al de cons­tru­to­res. De­ci­di con­sul­tar ´O Po­pu­lar´. O jor­nal apre­sen­tou cor­re­ta­men­te os nú­me­ros. Jen­son But­ton tem 84 pon­tos e Ru­bi­nho Bar­ri­chel­lo, 69. Era só o que me in­te­res­sa­va”.

Pro­vo­ca­do pe­lo lei­tor, con­sul­tei os dois jor­nais. O “Pop” e o “Di­á­rio da Ma­nhã” pu­bli­ca­ram a mes­ma re­por­ta­gem, sem mu­dar uma li­nha, en­vi­a­da pe­la Agên­cia Es­ta­do. Os edi­to­res sim­ples­men­te “tran­scre­ve­ram” as re­por­ta­gens, não acres­cen­tan­do ne­nhum co­men­tá­rio lo­cal. Ne­nhum re­pór­ter dos jor­nais go­i­a­nos as­sis­te as pro­vas? Não dá pa­ra acre­di­tar.

O “Pop” pu­bli­cou que Ru­bens Bar­ri­chel­lo “de­ve tro­car [a] Brawn pe­la Wil­li­ams na pró­xi­ma tem­po­ra­da”. O “DM” não pu­bli­cou a no­tí­cia. Os dois jor­nais pu­bli­ca­ram, sem alar­de, a no­tí­cia de que Fer­nan­do Alon­so vai pa­ra a Fer­ra­ri em 2010.

O Glo­bo co­pia JB

O re­pór­ter Sér­gio Mat­su­u­ra, do si­te Co­mu­ni­que-se, de­nun­cia que o tex­to “A praia do ca­ri­o­ca co­me­ça na La­pa”, do re­pór­ter Mar­ce­lo Mi­gli­ac­cio, do “Jor­nal do Bra­sil”, foi co­pia­do in­tei­ra­men­te pe­lo blog de Ma­ria He­le­na, do si­te de “O Glo­bo”.

Fa­la-se mui­to da de­ca­dên­cia do “JB”, mas, se “O Glo­bo” es­tá co­pi­an­do tex­to de blog do jor­nal de Nel­son Ta­nu­re, as coi­sas vão mes­mo mui­to mal no jor­na­lis­mo bra­si­lei­ro.

Pri­mei­ro con­ta­dor

O “Pop” no­ti­ciou na edi­ção de sex­ta-fei­ra, 2, a mor­te do “pri­mei­ro con­ta­dor de Go­i­â­nia”, Neif Bu­fái­çal, de 91 anos. Há con­tro­vér­sia. Vá­rios lei­to­res (41 e-mails) ga­ran­tem que o pri­mei­ro con­ta­dor da ca­pi­tal foi o pre­fei­to Ve­ne­ran­do de Frei­tas Bor­ges.

O su­ces­so de sua ges­tão, ti­da co­mo in­cor­rup­tí­vel, te­ve mui­to a ver com as no­ções que ti­nha de con­ta­bi­li­da­de. Venerando adotou políticas planejadas.

Re­cord pla­ne­ja su­pe­ra­ção da Glo­bo

A Re­de Re­cord lan­çou na ter­ça-fei­ra, 27, seu por­tal de jor­na­lis­mo e en­tre­te­ni­men­to, o R7 (www.r7.com).

Uma das apos­tas do R7, além da di­vul­ga­ção de no­tí­cias, é a pres­ta­ção de ser­vi­ços.

O con­te­ú­do da te­le­vi­são e da in­ter­net es­ta­rão co­nec­ta­dos. “A In­ter­net in­ter­fe­re nos pro­gra­mas da Re­cord, que re­tro­a­li­men­ta o si­te. A for­ma co­mo es­sas pla­ta­for­mas in­te­ra­gem é ino­va­do­ra. E fa­ze­mos is­so com mui­to mais agi­li­da­de que a con­cor­rên­cia. Que­re­mos ba­ter pa­po com o lei­tor”, diz o di­re­tor de Con­te­ú­do do por­tal, An­to­nio Guer­rei­ro.

O gru­po Re­cord con­tra­tou 150 jor­na­lis­tas pa­ra o R7 e in­ves­tiu 100 mi­lhões de re­ais no no­vo pro­je­to.

Al­guns blo­guei­ros: An­dré Fo­ras­ti­e­ri, Ana Pau­la Pa­drão, Cel­so Frei­tas, Brit­to Jr., Cos­me Rí­mo­li, Da­ni­el Cas­tro, Myle­na Ci­ri­bel­li, Os­car Schmidt e Ru­ben Ewald Fi­lho. Li al­guns. Os jor­na­lis­tas es­tão son­dan­do o ter­re­no, mas os blogs de Ru­ben Ewald e Brit­to Jr. pro­me­tem. É pos­sí­vel ler tex­tos dos cor­res­pon­den­tes in­ter­na­cio­nais, co­mo Adri­a­na Araú­jo, He­loi­sa Vil­le­la e Her­bert Mo­ra­es.

Processo de Valbene Bezerra está com promotor de justiça

Recebo de um advogado: “Li a nota publicada na última edição do Jornal Opção e faço um esclarecimento. O processo da jornalista Francisca Valbene Bezerra de Almeida, repórter do “Pop”, e Aparecido de Oliveira Silva, acusados de assassinar a empregada doméstica Aparecida de Oliveira, está com carga para o promotor João Teles de Mora, com acento na 1ª Vara Criminal, desde o dia 29 de setembro. Quando retornar ao cartório, o caso estará na fase de pronúncia, quando o juiz Jesseir Coelho Alcântara decidirá se a jornalista irá ou não a júri. Contudo, é apenas mais uma fase do processo, pois dessa decisão caberá recurso em sentido estrito ao Tribunal de Justiça e, posteriormente, ao Superior Tribunal de Justiça ou ao Supremo Tribunal Federal. O que significa que o caso pode se arrastar por anos até a realização do júri, principalmente se a defesa souber manejar adequadamente os recursos legais disponíveis”.



© Copyright Jornal Opção. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal Opção.